Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Life in Pink

Life in Pink

Sou uma pessoa activa. Estar parada muito tempo é algo que nunca fui capaz de fazer sem me aborrecer de morte. Um fim-de-semana caseiro é algo que me causa arrepios, não apanhar um bocadinho de ar, estar com pessoas, etc. Aos sete meses de gravidez, e tirando o episódio das hemorróidas, não me sinto propriamente mal e gostaria de continuar a fazer tudo como até aqui tenho feito - ginásio, limpar/arrumar umas coisinhas cá por casa, ir às compras, andar e aproveitar o bom tempo que está a chegar. Isto é o que eu gostaria, a minha vontade, mas e o meu corpo? O meu corpo trai a minha mente, trai as minhas vontades. O meu corpo pede descanso. O meu corpo faz-me sentir contracções ao mínimo esforço que faça. E o medo de um parto prematuro congela-me as vontades, prende-me ao sofá, e por aqui vamos fazendo o que podemos para sobreviver ao tédio. Em primeiro lugar estará sempre a bebé e o seu bem-estar, disso não há dúvida. Mas que é frustrante ter energia e vontade de mexer, e não o dever fazer, lá isso é.

Mais uma vez, o namoradinho tem um papel fundamental na minha vida, como tantos homens nas vidas das suas companheiras grávidas. A limpeza da casa, as roupas, as comprinhas, tudo cai sobre os seus ombros. Actividades que antes eram partilhadas, deixam de o ser. Posso parecer demasiado defensora do género masculino, mas acho simplesmente que há coisas que a maioria das mulheres consegue fazer de modo mais rápido e prático do que os homens, daí a partilha de tarefas ser algo que normalmente é combinado de acordo com as aptidões de cada um. Decerto há homens que limpam a casa bem melhor que eu, não tenho dúvidas, a minha costela de fada do lar perdeu-se algures no tempo (na realidade não sei se nasceu comigo), mas o que quero transmitir é que tudo é mais simples quando feito a dois. A tarefa de cuidar da casa e de mais duas pessoas, a grávida e o bebé, não é coisa pouca. Quando há apoio da família, tudo é mais simples, mas pressupõe que a família resida perto, o que nem sempre acontece. Ser independente é algo que prezo cada vez mais.