Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Life in Pink

Life in Pink

Uma tragédia. Um cenário dantesco. Impotência. Raiva. Podia continuar, mas não vale a pena. A partir das 21h de domingo tentei contactar os papás só para a habitual chamada/troca de mensagens de boa noite. Caixa de mensagens. Tentei novamente. Um. Outro. Nada. Só um sonoro vazio do outro lado da linha. Ponho na CMTV - o melhor canal quando precisamos de informação do género, por mais enviesada que possa ser - e verifico a desgraça que grassa pelo país fora. A terra dos meus pais ameaçada pelas chamas. Em redor, tudo a arder. Ligo-me ao FB, pedidos desesperados de informação, da parte de quem, como eu, está longe. Vão chegando relatos, mas nada que acalme o meu coração. Tento manter a calma, respirar fundo, tudo há-de estar bem. A dada altura surge a notícia - casas ameaçadas pelas chamas, população a ser evacuado. Tento novamente ligar. O vazio. O vazio de notícias, a impossibilidade de contactar quem amamos e de quem desconhecemos completamente o paradeiro/situação em que se encontra. A TV passava os comunicados de imprensa da ANPC e o longo discurso, bem espremido, é igual a zero. "A situação não está mais descontrolado, evoluiu desfavoravelmente" refere a porta-voz, num discurso irritante pelo seu, mais uma vez, vazio. Por volta da uma da manhã consigo ligação e fico a saber que apesar das lágrimas, dos gritos, do desespero, a situação parece estar a acalmar. O fogo passou. Ardeu tudo o que tinha potencial para a arder. O ar estava pesado. A adrelina corria nas veias de quem tentava salvar o esforço de uma vida, senão a própria vida. Ao longe continuavam a ouvir-se explosões. Botijas de gás. Produtos inflamáveis. Tudo a arder. "Estamos bem, vai descansar" diz-me o meu pai. E eu penso no perigo de reacendimentos, no perigo das explosões, no passado recente de Pedrógão. Medo de adormecer e acordar com más notícias. Lá adormecemos, perto das 3h, e passadas três horas, quando acordei, o medo de ligar o tlm e acompanhar as notícias congelou-me durante uns segundos. Um medo de enfrentar a realidade e do que ela pudesse ter desenrolado nas três horas dormidas. Paizinhos estão bem. A casa e os animais estão de pé. No meio da tragédia, o meu coração descansa. O nosso pensamento está com todas as vítimas destes incêndios cruéis.