Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Life in Pink

Life in Pink

9 dias volvidos, consigo arranjar disponibilidade mental para escrever aqui. Pequeno baby F. nasceu no dia 9 de Outubro. Como a mana, as 38 semanas e 4 dias. Como a mana, um ratinho de 2.860kg, e 47 cm. Como a mana, um parto que a acontecer de forma natural seria rapidíssimo. Em menos de uma hora, dilatação completa. Sem drogas. Só ranger de dentes e segurar à cama para não fazer barulho (há que manter o nível, até nestas coisas). Como bebé estava pélvico, não poderia nascer de parto natural. Seria cesariana, e pai estava a postos para entrar e acompanhar a mãe. Até que se aperceberam que dilatação foi mais rápido que o esperado e houve necessidade de se fazer uma cesariana de emergência. Fui levada de maca, em modo acelerado, para uma sala de cirurgia, enquanto ouvia enfermeiras a berrar pelo nome do médico que deveria descer rápido. No meio da confusão, salta o cateter da minha mão, onde seria introduzida a anestesia. Enquanto colocam outro, põem me uma máscara para respirar. Mas aquilo só me fazia ficar sem ar, e aflita, a respirar mal, q olhar para as luzes do bloco, só pedia para 1ue corresse tudo bem com o meu bebé e para que me tratassem bem, pois se o pequenino passaria bem sem mim, a mais velha precisaria muito de mãe (sim, estava dramática naquela mesa e temia o pior).

Acordei passado uma hora com o bebé ao lado e pensei, ohh, que fofo, mas estou tão cansada, podiam-me ter deixado dormir mais uma hora 🙄.

Bebé mamou logo, foi um querido, e fomos levados para uma sala de internamento de cuidados especiais. Dores excruciantes, mas calculei serem normais. 3 dias depois, saio da maternidade, ainda cheia de dores, e a acreditar que faz parte. Até que percebo que tenho um hematoma gigante e, apesar dos 16 agrafos que levei, a sutura não está a fechar como devia. Repouso absoluto. Cama e mais cama. Só dou mama ao bebé, o resto dos cuidados, do bebé, da mana e da casa são providenciados pelo pai e avó.

Ainda não tinha tido estado de espírito para fazer este relato, porque tudo me parece demasiado violento e desnecessário. O atendimento num hospital público ficou completamente aquém do que seria de esperar. Ruptura de stocks de pensos, racionamento de suplemento para dar a bebés que necessitem, comida deplorável. Enfermeiras e auxiliares, havia de tudo, mas apanhei profissionais excelentes, a quem agradeço toda a atenção 3 profissionalismo.

O bebé está óptimo e é um fofo. Come e dorme ❤️ faz uns barulhinhos maravilhosos e mal posso esperar por me mexer e começarmos a nossa rotina a 4!