Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Life in Pink

Life in Pink

Pois é, não poderia deixar de ser. A escola é óptima, tem muito boas condições, trocam fraldas e higienizam os bebés como se não houvesse amanhã (em duas semanas foi-se um pacote de fraldas, como assim!!!!!), soro nos narizinhos quando estão entupidos, mas não dá.. depois de termos mantido o bebé numa redoma durante quase 11 meses, óbvio que já está constipadito. Vai estando febril, nunca ultrapassa os 37,5 graus, espirra imenso e tem ranho como nunca antes tinha visto. A princesa, de 4 anos, acho que em 4 anos produziu a mesma quantidade de ranhoca que saiu do pequeno buda esta semana. Assustador! Em cada espirradela, e houve uns dias que espirrava de 2/2minutos, lá vinha uma quantidade monstrenga daquela viscosidade. Uma noite houve em que foram lençois, criança, mãe, tudo com a bela da ranhoca. Não obstante, tem-se aguentado.Vamos esperar que não escale, zero saudades de bronquiolites e outras doenças acabadas em ites. Otites então, enough!! basta a pequena princesa. Vai ser um inverno interessante! Não obstante, pequeno príncipe continua feliz e contente, com um sorriso maravilhoso. Temos que trabalhar as noites, o drama do costume, pois hoje às 3h achou que já seria uma hora razoável para se levantar, começar a palrar e bater palminhas!!

Depois de 4 meses e meio sem escola, não se precia um regresso à escola simples. Pequena princesa sempre foi muito tímida e nunca adorou particularmente a ideia de escola. 

O regresso implicou duas semanas de choradeira quando deixada com a educadora na entrada da escola. Ao final da tarde, felizmente, está sempre bem e feliz. Suja, com nódoas negras, mas feliz ;) Esta semana, a terceira no regresso à escola, diz - mãe, agora já não choro mais para ficar na escola. E pumbas, não chora mesmo. Os 4 anos trazem algo de fantástico no desenvolvimento das crianças - é uma fase muito desafiante, de limites constantemente em teste, mas também de um enorme desenvolvimento do cérebro das crianças, de uma compreensão apurada do que os rodeia, dos sentimentos, das emoções. What a journey!!

Uma tirada com argúcia - mãe, porque é que os pólos da escola são desta cor? deviam ser amarelos, assim não se notava quando cai sopa.. :p 

10 meses. Primeira ida do bebé à praia. Expectativa? Alta.

Vou só lembrar que a irmã foi aquela bebé que durante os dois primeiros anos odiou praia, não saía da toalha, só queria dormir e adorava o momento em que saíamos da praia. Areia? Blarghhhh.

Assim que chegamos à praia o que faz o bebé? Experimenta. Novas texturas. Areia. Uauuuuuuu. Água. Yeyyyyyyy. Pois que foi isto. um croquete constante. Água, areia, água, areia. Seca, molhada, whatever. Uma felicidade sem fim. A parte boa, depois de uma manhã em corropio, comeu uma bela sopinha com carne, fruta, e embalado pelas ondas do mar, dormiu uma sesta 

A repetir. Expectativas em alta para o próximo ano, com o que esperamos ter, férias decentes!

Como já vem a ser hábito, estou um pouco atrasada na descrição do desenvolvimento do bebé aos 10 meses (visto que tem já 11 meses, shame on me).

E o que fez o bebé aos 10 meses?

Houve uma diferença significativa - a entrada do bebé na escola! A entrada do bebé na escola alterou a dinâmica familiar, e alterou drasticamente os horários do bebé. Não posso dizer que fico satisfeita com os horários das sestas, mas nesse aspeto a escola não dá grande margem. Vamos lá então:

Comida - o bebé continua a comer muito bem. A novidade não são os ingredientes, mas sim o prato principal. Começámos a medo, a dar-lho com 9 meses, e com 10 meses cimentámos este prato, sempre aliado à sopa e à fruta. Com excepção de papaia, nunca nos rejeitou qualquer comida. Não adora gema de ovo como a irmã, mas come-a bem. Não consigo ainda registar preferências quanto a carnes - tanto come lindamente borrego, como da vez seguinte não mostra o mesmo entusiasmo, etc etc. Lanches continuam a ser de papa caseira ou iogurte, fruta e um bocadinho de pão. Introduzimos puffs, mas ele não sabe bem o que fazer com aquilo :) Horários das refeições, 7/8h, pequeno almoço (depois da mama, por vezes ainda partilha iogurte e fruta ou pão com a irmã); 11h almoço, 15h lanche; 18h30/19h jantar. Maminha all night long.

Sestas - pois é, aqui surge o problema. Sempre um problema. O sono. O meu (e dos meus filhos) calcanhar de Aquiles. Bebé estava habituado a fazer uma sesta de 1h20 ao final da manhã e outra a meio da tarde. Com a entrada na escola, acorda pelas 7h/7h30, e só volta a dormir às 12h  A sesta na escola é das 12h às 14h, mas este bebé só consegue unir dois ciclos de sono, que geralmente duram 40m, portanto, 1h20 de sono pós almoço. A meio da tarde, quando consegue, faz sesta na escola, mas de 30m. Isto é claramente pouco para um bebé e é um tema que me preocupa, mas não tenho forma de alterar este padrão nos dias de escola. Ao fim de semana, dorme as suas duas sestas de 1h20. 

Noite - a noite já esteve pior, já este melhor. O bebé mama muito. Habituou-se (mea culpa) a ser passado para a minha cama a meio da noite (cansaço, já não sentia segurança a segurar o bebé durante 20m para ele mamar, passei a deitá-lo ao meu lado), e agora pede isso (óbvio, são muito espertinhos os pequenos). Acabo por dormir aos bochechos, ele também dorme aos bochechos, com a mamoca sempre ao lado. Não é só alimento, serve mesmo para adormecer. É uma situação que temos que resolver, e tal como as sestas, não estou bem a ver como o fazer.

Socialização - bebé mais querido, sempre sorridente e feliz. Adora atenção, que falem com ele, que interajam com ele. É um bebé feliz.

Relação com a mana - o drama, o horror, a tragédia - a mana não lhe liga muito. A mana raramente quer brincar com ele e partilhar brinquedos. Temos que dar atenção à mana, não menosprezando o bebé, e ir gerindo esta relação o melhor que pudemos. Não é fácil, mas vai certamente melhorar!

Higiene - o gordini toma banho todos os dias, adora a banhoca, lava as duas dentolas e troca 500 fraldas (ou assim me parece).

Desenvolvimento físico - pois é, mais um bebé preguiçoso que não gatinha. Quer sempre agarrar as nossas mãos para o guiarmos e o levarmos pela casa/rua fora. Mas não se levanta sozinho. Não consegue avançar muito quando deitado num tapete. Lá chegará! Já quanto à fala (não fala, óbvio), já palra imenso. Mamama, papapa, brrrrr, tatata.

Um amor de bebé!!