Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Life in Pink

Life in Pink

Que ainda não passou. Tenho contracções desde cedo, mas pioraram muito nos últimos dias, com intervalos de 10minutos. Decidimos ir ao hospital de Santa Maria às urgências.  Três horas passadas, um ctg, um toc e uma ecografia, a médica diz que parece infecção urinária e pede que faça exame no particular pois estão com falta de pessoal. Mais, receita antibiótico sem ter diagnóstico definitivo e manda - me para casa. Incrédula, não consegui reagir e só a caminho de casa comecei a pensar na parvoíce de que tinha sido alvo.  Contracções de 10/10m e mandam-me para casa porque não têm pessoal? Estou deitada desde então, à espera de que o príncipe esteja bem e de que não nasça tão prematuro como esta a fazer crer. Sem fé no SNS, sem seguro, sinto - me completamente desamparada. Acalento esperança de que corra tudo pelo melhor, mas tenho medo. Medo que só um bom acompanhamento me poderia mitigar. 

31 semanas de gravidez. Recomendação de repouso, nada de viagens de carro, praia, tarefas caseiras. Descanso para manter baby F. O máximo de tempo cá dentro. 

O meu coração diminui, pequenino pela impotência de uma pessoa perante circunstâncias que não pode controlar. E a minha bebé de 3 anos? Como tomo conta dela? Como brinco com ela, como a levo à escola, como a vou buscar, como lhe faço o jantar.. Para não falar das compras para casa, a roupa para tratar. O meu coração está pequenino. Sei que o meu homem é 0 melhor, que quando tem que ser se desdobra para apoiar. Mas vai ficar cansado. Cansado antes de um bebé nascer, não é o ideal. Coração pequenino pois não poder fazer mais, melhor. Vamos ficar bem, mas as próximas semanas serão desafiantes. 

E a falta de informação sobre os mesmos! Ouve-se muito falar dos terríveis dois, mas aqui por casa, terrificas mesmo têm sido as birras dos 3. Refinadinhas, muita teimosia à mistura, choro falso, insistência até não poder mais, a ver se algum adulto quebra. O pai é inquebrável, a mãe seleciona batalhas, sendo que nas que considera mesmo fundamentais (não se pode dar sempre o braço a torcer) se torna irredutível. Mas sempre com um aperto no coração, que ver a cria a chorar não é para mim!

A princesa continua linda e amorosa e é, na maior parte do tempo, uma criança bastante calminha e querida. Não obstante, quando está para aí virada, há choro durante imenso tempo, e teimosia e desgaste psicológico da mãe 😒

É uma fase e lidaremos com ela o melhor que soubermos, com o objetivo de criar uma criança feliz, com auto-estima e respeito pelos outros. Já disse que está gira que se farta??? 

Esta fase de ignorar o que quer que se lhe diga é qualquer coisa. Normalmente sou muito paciente e tolerante, mas há dias em que não dá mais. Felizmente nesses dias o senhor papá intervém e tudo corre bem. A ver vamos daqui a uns meses. Medinho.

Pequena princesa tem uma otite serosa, o que lhe pode diminuir a audição é desconfiamos que sim. Ainda assim, está naquela fase maravilhosa em que lhe dizemos faz X, y, e ela faz obviamente z e só nos ouve se a voz soar um pouco mais alta ou ameaçadora. Eu não soo ameaçadora, o pai ainda tem esse poder. Vou ter aqui um belo trabalho pela frente, para educar esta pequena e fazê - la perceber que deve fazer o que lhe pedem.

Podia dar um exemplo, mas é com tudo! Quando chamo para tomar o pequeno almoço, para vestir, para ir lavar dentes.. Há sempre a fase de ignorar e depois passa para já vou mama! Primeira brincar e depois já vou. O mesmo para se ir deitar. Primeiro uma história, agora outra, agora abraço, agora beijinho, depois começa a fazer uma brincadeira com a qual nos rimos, tudo manobras de distracção para o que se seguirá! Têm um poder de manipulação estes pequenos! Mas são giros que se fartam, e esta fase, com todos os seus desafios, é maravilhosa! 

A princesa é uma fofa, querida que só ela. Se há algo que é o seu ponto fraco (ou o meu..) é o sono. Sempre foi difícil de a dormecer, envolveu muito choro e horas de tentativas. Hoje em dia é um pouco mais simples, mas ainda tem os seus desafios. O sono da noite, vai para a cama por volta das 21h, e nunca demora menos de 30m a adormecer. Fala, canta, mexe, remexe, quer história, quer água, quer dar beijinho e abracinho, quer tudo menos ficar sozinha para dormir. Normalmente as 7h está acordada e volta para a cama, para desta, entre 12/13h e dorme umas duas horinhas, pelo menos. Muito bem, até esta semana. Como ficou doente e as noites foram mais difíceis, acordou dois dias por volta das 9h. Quando acorda a essa hora, já não há sesta possível, nunca tem sono na hora normal da sesta e acaba por não a fazer. Vai daí, decidiu estender esse privilégio para os dias restantes e está que aqui escreve, grávida de sete meses, muito apreciaria uma sesta. Acho que não manterá este ritmo, mas para já andamos a fazer só a soneca da noite. Parte boa, já não me levanto entre 6h e 7h há uns dias!!