Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Life in Pink

Life in Pink

Só para não andar sempre a falar de bebé e sono e comida, vamos passar a um tema altamente fútil - os presentes de Natal.

Assim de repente lembro-me destas coisas giras :)

Gaz.jpg

As belas Gazelle da Adidas

Cam_man.jpg

Apaixonei-me por esta camisola da Mango, que hei-de eu fazer?

WS.jpg

Então mas e se fossem umas cuequinhas daquelas de renda todas sexys e tal? Também era giro, mas não era a mesma coisa :) Women's secret.

A princesa continua uma linda a comer - a fruta principalmente :) A sopa também vai, mas nunca com o mesmo entusiasmo. A quarta sopa continha - batata doce, cenoura, cebola, chuchu, alho francês, brócolo e abóbora. Não estranhou nada e tem comido bem. Hoje tenho que preparar a quinta sopa e ando aqui numa dúvida existencial - couve portuguesa, alface ou feijão verde?

Não quero fazer grande festa, tudo pode regredir, mas não posso passar sem assinalar este facto. No dia 1 de Dezembro o papá decidiu experimentar mais uma vez adormecer a bebé na caminha. Ele ficou lá ao lado, mas não é que ela adormeceu? No dia 2, adormeci-a sempre na cama - de manhã demorou cerca de 20 minutos a adormecer, não chorava, fazia só uns barulhinhos de birra a que apelidamos carinhosamente de barulhos de orangutango (é o mais similar..). Na primeira sesta da tarde demorou 5 minutos a adormecer, a meio acordou e demorou mais quinze.na última sesta do dia, já eu temia o pior, por ter lido que quando se começa a ensinar bebés a dormir sozinhos na cama esta é a pior sesta, a pimpolha adormeceu em dois minutos. Pimbasssssss. No sábado, na loucura, em vez de ficarmos ao lado dela, decidimos deitá-la e deixá-la lá - nova surpresa, passou em dois dias de adormecer ao colo (o que custava cada vez mais, porque não está a ficar mais leve) para adormecer sozinha!! E o que acho eu agora? Não me parece mal ter lido este mundo e o outro sobre o assunto, é sempre conhecimento adquirido e posso falar sobre as teorias de especialistas portugueses, espanhóis e britânicos :p Do alto do meu conhecimento posso agora asseverar que efectivamente cada bebé é um bebé, cada um tem os seus ritmos, as suas fragilidades, a sua personalidade. Podemos ter errado muito nos primeiros meses, mas julgo que a bebé não estava ainda preparada para dormir sozinha, e agora, de um dia para o outro, fica a dormir sozinha. Uma linda. O meu amor maior (está sempre a crescer, crescer, crescer - e ela também, a insuflar, insuflar :p).

pant.jpg

Sempre fui contra este conceito, porque acho terrífico uma pessoa ficar presa em casa o dia todo. Ok, abro a excepção para dias em que chove torrencialmente sem parar, mas se pensarmos bem, são poucos os dias em que isso acontece. Neste sentido, nunca quis casacos polares/pantufas, etc para andar por casa. O tempo em casa era reduzido, saía do trabalho, ia ao ginásio, chegava a casa e tinha jantares e almoços de dia seguinte para tratar, quando me sentava era quase hora de ir para a cama.

Com a licença de maternidade isto veio alterar-se e foi então que me apaixonei. As pantufinhas que vêem na imagem são as minhas melhores amigas nos dias que correm. Quentinhas, fofinha, confortáveis e giras que se fartam. E pronto, era só isto. Uma pessoa pode mudar de opinião muito drasticamente em relação a determinados assuntos.

Sexo Sem Compromisso.jpg

 Ahhhh, já cá faltavam os filmes! Têm sido uns meses desafiantes, pelo que ver séries ou filmes não tem acontecido. Eventualmente olho para a programação da nossa grelha de canais e coloco uns quantos filmes em gravação. Assim sendo, hoje enquanto a pequena dormia a sesta, decidimos ver um filme. Este foi o eleito. Realizado em 2011, conta com interpretações de Natalie Portman e Ashton Kutcher. Cheirinho a comédia romântica numa tarde em que não parou de chover pareceu-me o ideal. E não é que não desiludiu? Foi um filme bastante simpático, sobre dois jovens que se conhecem na adolescência e se reencontram anos mais tarde. Desde cedo que houve uma faísca entre ambos, mas optam pelo sexo sem compromissos, muito por vontade dela, com problemas em relacionar-se seriamente com alguém. A imagem de uma mulher que acredita poder vingar sozinha contrasta obviamente com a personagem masculina, um eterno romântico, sempre feliz e sem qualquer problema em contar ao mundo o que sente.

Um duo interessante e que funcionou muito bem neste filme. Eu daria um 7/10.

Pág. 3/3