Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Life in Pink

Life in Pink

Depois de 4 meses e meio sem escola, não se precia um regresso à escola simples. Pequena princesa sempre foi muito tímida e nunca adorou particularmente a ideia de escola. 

O regresso implicou duas semanas de choradeira quando deixada com a educadora na entrada da escola. Ao final da tarde, felizmente, está sempre bem e feliz. Suja, com nódoas negras, mas feliz ;) Esta semana, a terceira no regresso à escola, diz - mãe, agora já não choro mais para ficar na escola. E pumbas, não chora mesmo. Os 4 anos trazem algo de fantástico no desenvolvimento das crianças - é uma fase muito desafiante, de limites constantemente em teste, mas também de um enorme desenvolvimento do cérebro das crianças, de uma compreensão apurada do que os rodeia, dos sentimentos, das emoções. What a journey!!

Uma tirada com argúcia - mãe, porque é que os pólos da escola são desta cor? deviam ser amarelos, assim não se notava quando cai sopa.. :p 

10 meses. Primeira ida do bebé à praia. Expectativa? Alta.

Vou só lembrar que a irmã foi aquela bebé que durante os dois primeiros anos odiou praia, não saía da toalha, só queria dormir e adorava o momento em que saíamos da praia. Areia? Blarghhhh.

Assim que chegamos à praia o que faz o bebé? Experimenta. Novas texturas. Areia. Uauuuuuuu. Água. Yeyyyyyyy. Pois que foi isto. um croquete constante. Água, areia, água, areia. Seca, molhada, whatever. Uma felicidade sem fim. A parte boa, depois de uma manhã em corropio, comeu uma bela sopinha com carne, fruta, e embalado pelas ondas do mar, dormiu uma sesta 

A repetir. Expectativas em alta para o próximo ano, com o que esperamos ter, férias decentes!

Como já vem a ser hábito, estou um pouco atrasada na descrição do desenvolvimento do bebé aos 10 meses (visto que tem já 11 meses, shame on me).

E o que fez o bebé aos 10 meses?

Houve uma diferença significativa - a entrada do bebé na escola! A entrada do bebé na escola alterou a dinâmica familiar, e alterou drasticamente os horários do bebé. Não posso dizer que fico satisfeita com os horários das sestas, mas nesse aspeto a escola não dá grande margem. Vamos lá então:

Comida - o bebé continua a comer muito bem. A novidade não são os ingredientes, mas sim o prato principal. Começámos a medo, a dar-lho com 9 meses, e com 10 meses cimentámos este prato, sempre aliado à sopa e à fruta. Com excepção de papaia, nunca nos rejeitou qualquer comida. Não adora gema de ovo como a irmã, mas come-a bem. Não consigo ainda registar preferências quanto a carnes - tanto come lindamente borrego, como da vez seguinte não mostra o mesmo entusiasmo, etc etc. Lanches continuam a ser de papa caseira ou iogurte, fruta e um bocadinho de pão. Introduzimos puffs, mas ele não sabe bem o que fazer com aquilo :) Horários das refeições, 7/8h, pequeno almoço (depois da mama, por vezes ainda partilha iogurte e fruta ou pão com a irmã); 11h almoço, 15h lanche; 18h30/19h jantar. Maminha all night long.

Sestas - pois é, aqui surge o problema. Sempre um problema. O sono. O meu (e dos meus filhos) calcanhar de Aquiles. Bebé estava habituado a fazer uma sesta de 1h20 ao final da manhã e outra a meio da tarde. Com a entrada na escola, acorda pelas 7h/7h30, e só volta a dormir às 12h  A sesta na escola é das 12h às 14h, mas este bebé só consegue unir dois ciclos de sono, que geralmente duram 40m, portanto, 1h20 de sono pós almoço. A meio da tarde, quando consegue, faz sesta na escola, mas de 30m. Isto é claramente pouco para um bebé e é um tema que me preocupa, mas não tenho forma de alterar este padrão nos dias de escola. Ao fim de semana, dorme as suas duas sestas de 1h20. 

Noite - a noite já esteve pior, já este melhor. O bebé mama muito. Habituou-se (mea culpa) a ser passado para a minha cama a meio da noite (cansaço, já não sentia segurança a segurar o bebé durante 20m para ele mamar, passei a deitá-lo ao meu lado), e agora pede isso (óbvio, são muito espertinhos os pequenos). Acabo por dormir aos bochechos, ele também dorme aos bochechos, com a mamoca sempre ao lado. Não é só alimento, serve mesmo para adormecer. É uma situação que temos que resolver, e tal como as sestas, não estou bem a ver como o fazer.

Socialização - bebé mais querido, sempre sorridente e feliz. Adora atenção, que falem com ele, que interajam com ele. É um bebé feliz.

Relação com a mana - o drama, o horror, a tragédia - a mana não lhe liga muito. A mana raramente quer brincar com ele e partilhar brinquedos. Temos que dar atenção à mana, não menosprezando o bebé, e ir gerindo esta relação o melhor que pudemos. Não é fácil, mas vai certamente melhorar!

Higiene - o gordini toma banho todos os dias, adora a banhoca, lava as duas dentolas e troca 500 fraldas (ou assim me parece).

Desenvolvimento físico - pois é, mais um bebé preguiçoso que não gatinha. Quer sempre agarrar as nossas mãos para o guiarmos e o levarmos pela casa/rua fora. Mas não se levanta sozinho. Não consegue avançar muito quando deitado num tapete. Lá chegará! Já quanto à fala (não fala, óbvio), já palra imenso. Mamama, papapa, brrrrr, tatata.

Um amor de bebé!!

Aos 10 meses o bebé começou a dizer adeus. É sempre uma emoção estas novas e pequenas conquistas, que nos parecem tão grandes! Aos 10 meses também deixou de dormir a última sesta e continua a dormir mal de noite, mas anda sempre bem disposto!

Bebe mais patusco de sua mãe ❤️

Pequeno príncipe faz hoje 10 meses, mas a senhora sua mãe anda uma preguiçosa nestas lides e só hoje vem fazer o registo dos 9 meses. O bebé continua um patusco bem disposto que dorme mal! 

Comida- não houve grandes novidades neste mês, experimentou mais umas frutas, come quase todos os legumes na sopa, mas ainda tudo passado. Adora melão. Não pode ver ninguém a comer melão que pede logo, com uns urros insistentes. Sopa com borrego é também uma das favoritas. Os horários mantêm - se, pequeno almoço pelas 9h,almoço perto das 12h, lanche 15/16, jantar 19h. Maminha all night long.

Sono - pff, o tema de sempre, para sempre. Dorme uma sesta de manhã e outra depois de almoço. Entre sestas está normalmente desperto e bem disposto durante cerca de 2h30. À noite tem isso para a cama entre 19h30 e 20h. Demora entre 30m a 1h a adormecer, mas a chatice não é isso. São os despertares logo de seguida. Por vezes passados 30m ou 1h. Nos dias bons, acorda só por volta das 23/24. Depois durante a noite.. Uma pequena desgraça. Até as 7/8/9,dependendo dos dias.

Higiene - adora água, banho, piscina, banheira, bidé. Tudo serve de sair um fiozinho de água. Higiene oral com dedeira para lavar os 2 dentinhos.

Andar - está longe disso, gatinhar bem pensar, mas decidiu que é giro andar agarrado às mãos da mãe. Posto isto, foi um mês muito desafiante, em que o bebé ganhou alguma força e equilíbrio, mas ainda longe de andar sozinho.

Socialização - continua a gostar de pessoas, mas chegou a fase mãe mãe mae. Começa a gostar de interagir com animais, cães, gatos, passarinhos. Adora que falem com ele, fica todo embevecido.

 

Está um amor crescido, o nosso petisquinho bom 💕

Pequena princesa, desde os seus 18 meses que fala lindamente. Sempre falou muito bem, quer em termos de vocalização, quer em termos de vocabulário. Desde há 4 dias atrás algo se passou. Os esses, começaram a ser muito pronunciados, é estranhíssimo. Questioná-mo-la do porquê dessa mudança, mas entretanto não temos falado do assunto. Hoje de manhã, perguntou-me - mamã, porque é que agora falo mal? E eu fiquei um pouco com o coração partido e sem lhe saber responder! O que se terá passado para, de um dia para o outro, começar a falar mal? Os esses. Pressão a mais da nossa parte para corrigir os esses e cês? Por vezes brincávamos quando ela pedia um doce, e saía mais perto de doxe. Ela corrigia, mas entretanto a correcção foi de tal forma que fica muito estranho. Vamos desvalorizar por uns tempos e ver se passa!!

Pequena princesa está óptima, linda e fofa, com saudades de amiguinhos para brincar. As crianças precisam de outras crianças, faz-lhes tão, mas tão bem. Nota-se imenso a falta desta interacção. Tem sido uma princesa muito querida, brincado um pouco sozinha, sido amiga do mano. Ansiamos pela normalidade. COVID-19, vai à tua vida por favor.

A 2 dias do bebé fazer nove meses, disponibilizo-me para escrever o relato dos 8. Todos os dias penso nisto, mas dois pais em tele-trabalho e duas crianças, uma prestes a fazer 4 anos e outra 8 meses, é duro! Os dias voam. Os pais trocam olhares, palavras, pequenos gestos de amor, tudo em micro segundos enquanto gerem trabalhos e crianças, e alguma lida da casa. É um desafio, parabéns a todos os pais. Não imagino como fica um pai sozinho com 2 ou 3 crianças, mas tem a minha admiração!! Posto isto, vamos lá ao baby F, o patusco mais querido do mundo, com o sorriso mais fácil, e o sono mais difícil. Vamos lá pelo início:

Sono - o caos, o horror, a tragédia - já vários posts houve sobre o tema, continua a não ser nada certo, há noites que demoro uma hora para o adormecer, outras 30m, nas piores uma hora e 30. O pior de tudo? muitas vezes, passados uns 50/60m, há o primeiro de muitos despertares. Enfim, temos lidado o melhor que pudemos com este tema. As sestas, cerca de uma hora de manhã, mais uma hora à tarde e 30m ao final do dia, estão a cargo do papá. Bebé já adormece na cama, felizmente, mas há um longo caminho pela frente no que toca aos sonos. Abençoadas sestas de 2h/3h da mana, que achávamos difícil para adormecer. Este é para adormecer e manter o sono. Lição? nunca nos queixarmos :)

Comida - depois de um início muito desafiante, baby F. come tudo o que lhe damos e está sempre com a boca aberta. Sopa com carne ao almoço, seguido de fruta; papa caseira ao lanche (aveia, cevada, quinoa, com fruta, vamos variando), intervalada com iogurte e fruta; sopa e peixe ao jantar, seguido de fruta. Antes de dormir, maminha. Durante a noite (4 vezes que me parecem 500x, maminha - já foram só duas!! não sei o que aqui aconteceu, mas tenho esperança que passe sem intervenção do pai.. uma ténue esperança, vamos lá ver), de manhã, maminha.

Brincadeira - adora pessoas, adora a mana (que não lhe liga muito), dá uns guinchinhos maravilhosos, rebola, fica de barriga para baixo para brincar só um bocadinho, gatinhar nada, adora a aranha e farta-se de saltar nela, bate palminhas. Adora que falem com ele, fica entretido sozinho durante alguns minutos, com os seus brinquedos. Óbvio que gosta bastante mais dos da irmã, muito mais perigosos. 

Higiene - adora água, o banho é uma hora super divertida. Quando as sestas correm menos bem e o pequeno fica rezinga, sua mãe mete-o no banho para descontrair um pouco. Anima-se ele e quem o rodeia. Chapinha tudo, fica um pequeno lago a casa de banho. Já lava os seus dois dentinhos (que apareceram 2 dias antes de fazer 8 meses), com uma dedeira própria para o efeito. Adora roer aquilo, o que ajuda a cumprir o seu propósito. Fraldocas, muitas. Cocós, felizmente também faz muito bem, sem necessidade de intervenções nem medicações!!

Socialização - após uns meses fechados em casa, em que pequeno bebé acreditava que o mundo eram os papás e a mana, fugimos para casa dos avós. Aqui, o mundo tornou-se mais colorido, com mais pessoas, com idas ao pátio, à rua dos avós que fica no meio do nada, com gatos, flores, árvores, tudo e tudo. Tudo o que ajuda à estimulação e ao crescimento saudável de um bebé. Não adora pessoas de máscara. Aliás, um bebé que não chora nunca sem ser para dormir, teve um ataque de choro com uma pessoa com máscara.

É um patusquinho muito bom este bebé. A ver se dormirá melhor em breve :)

 

 

E assim de repente, sete meses passaram. Sete meses de amor a 4, de crescimento conjunto, sete meses de uma família mais completa. Foram meses desafiantes, primeiro a mamã doente, quando a mamã recupera, pequeno príncipe começa a dormir mal. Depois aparece o covid 19 e a vida da uma nova volta. Aprendemos a viver 24h/24h todos juntos. Aprendemos a partilhar afetos, além de tarefas! Aprendemos que o amor tudo supera e juntos somos fortes. E o baby F? Espero wow perceba que é muito amado, apesar da atenção partilhada com a mana e tarefas domésticas imprescindíveis. Aos sete meses o baby f continua a ser o maior patuscao, super sorridente e paciente. Adora a irmã, mesmo que ela não lhe ligue nenhuma. Sempre a olhar para a porta para a ver aparecer de manhã. Bebé comilão, com clara preferência para papas e fruta em vez de sopa e carne (quem não?). O desafio deste bebé são mesmo os sonos. Acorda uma a duas vezes por noite. Mas as sestas são diabólicas. Fica para outro post, que este serve pasta referir que o bebé é o máximo. Já se senta, tem coversinhas e faz imensos trejeitos com a boca. Hoje a almoçar, um clássico, começar a 'assobiar' com a comida na boca. Voou para todos os lados, mas já sabemos que alimentar uma criança é como entrar num palco de guerra. Baby F é o melhor. O nosso amor. O nosso bebé patuscão, que nos mostra que o amor não se divide, antes multiplica.

É bem sabido que estou a adorar esta fase. Os três anos são maravilhosos, os miúdos descobrem e aprendem a uma velocidade vertiginosa, têm tiradas magníficas, são muito perspicazes. Pequena princesa está super crescida, muito gira e fofa. A motricidade fina ainda precisa de ser desenvolvida, cortar com tesoura, por exemplo, é para esquecer. Paciência para montar Legos, pintar dentro dos riscos dos desenhos também roça o zero. É muito impaciente e fica furiosa. Nesta quarentena estamos a tentar aprender a comer de faca e garfo e hoje na hora de almoço, depois de duas tentativas falhadas de levar a comida à boca, atirou os talheres e zangou - se. A capacidade de resolução destas situações tem que ser trabalhada. Voltemos à perspicácia. As crianças ouvem tudo, temos que ter imenso cuidado com o que dizemos ao pé delas. Há uns dias queria fazer maquilhagem e pedia colo à avó para chegar à prateleira do armário. Ao que lhe disse que não podia ser, que a avó tinha dor de costas. Saiu furiosa do WC e ouvimo-la dizer no quarto, enquanto ia buscar uma almofada para tentar trepar à prateleira, estão - me sempre a enganar 🙈 Há uns dias, estava a ler - lhe a história de final de dia enquanto o pai tentava adormecer o mano. Depois de um pedido de silêncio do pai, sempre que a voz da princesa dúvida de tom, lá lhe pedia para falar mais baixo, senão o pai zangava-se. Ao que ela responde, se o papá vier barafustar, dizes - lhe para não fazer isso, que eu sou só uma criança. E é assim. Em bom. Pequena princesa ❤️

É demasiado duro o título. Mas é o que sentimos. Vamos explicar porquê.

Sono do bebé é muito difícil, impossível adormecê-lo na caminha, não aceita ser pousado meio a dormir, não acalma se ficarmos ao lado dele, não consegue juntar ciclos de sono na sesta. Posto isto, decidimos recorrer a especialista. Tínhamos 3 em vista, Mafalda Navarro, Andreia Neves e Filipa Fernandes. Dada a experiência da Filipa, achámos que seria a pessoa certa para nos ajudar.

Tivemos a consulta, onde a nossa principal preocupação eram as sestas e a necessidade de capacitar o bebé para dormir sozinho, e ela refere que não podemos travar todas as lutas ao mesmo tempo, vamos focar-nos na noite. O resto da consulta foram banalidades, horarios, rotinas.. Quem tem um bebé que dorme mal e procura informação sobre o tema, já deve ter estes pontos mais que assentes. Sendo segundo bebé, e nós fãs de rotinas, essa parte estava mais que treinada e sabida. Portanto, banalidades, foco na noite. Fim da consulta, acaba com tem mbway, vou enviar lhe os meus dados para fazer o pagamento. Pediu ainda que relatasse como estava a correr e que se não víssemos resultados ao fim de uma semana, mudávamos de estrategia. 

Fim da consulta. Um pouco de desconsolo da minha parte, pois não senti que me tivessem sido facultadas estratégias para o que eu sentia que precisava. Logo de seguida, a mensagem com dados para pagamento, que prontamente paguei. Passou uma semana, em que registámos e enviámos mensagens sobre as noites do bebé. Passado uma semana, estava pior. Perante mensagens desesperadas, responde com um ligue me amanhã. Liguei. Uma vez. Duas. Nada. Decidi enviar mensagem a pedir que me contactasse ou indicasse um horário próprio para o efeito. Nada. Portanto, foi isto. Foi este o acompanhamento pelo qual pagámos. 

Percebo que não consiga ajudar, há casos mais desafiantes que outros. É chato, mas pode mesmo não ter sabido que conselho dar. O que não percebo, numa profissional que é bastante conhecida e aclamada, é o facto de nos ignorar. Ignorar o acompanhamento que referiu dar e que se pressupõe nesta área. É só triste. E pensar que poderia ter recorrido a outra profissional, que efetivamente o fosse 💔