Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Life in Pink

Life in Pink

Topfer-CHAMPÔ-COM-TRIGO-E-CALÊNDULA.jpg

Ontem comprei um champô "saudável" para a princesa. Comprei também detergente para a casa de banho. A pipoca farta-se de beber água quando toma banho, tentamos evitar que o faça, mas nem sempre conseguimos. Meia volta lá leva ela um copinho (tem uns copinhos c uns furos para brincar na banheira e gosta imenso. Não, não liga muito a bonecos de borracha nem livros para a água. gosta de copinhos) à boca e já está. Como qualquer pessoa, gosto que a minha banheira esteja limpa e tenho receio que os químicos presentes no detergente possam fazer mal à princesa. Vai daí decidi comprar um detergente mais natural e a ver vamos se limpa bem. A minha consciência fica mais tranquila.

Na lojinha onde comprámos estes produtos, há toda uma panóplia de mercearia e alimentos ditos biológicos, orgânicos, logo, mais saudáveis para crianças e adultos. Concordo plenamente que seja mais saudável e que devemos tentar alimentar-nos, a nós e aos nossos filhos, do melhor modo possível. Mas e quando a obsessão pelo saudável, biológico e orgânico compromete a saúde dos nossos filhos e em último caso, a nossa vida? Não deixar as crianças tocar em glúten, mesmo quando não têm qualquer alergia/intolerância identificada, será isso o mais correto? Não condeno quem opta por o fazer, mas não me parece nada saudável. Estão a criar crianças que não comem o que os amiguinhos comem na escola. Não comem uma fatia de bolo de aniversário a não ser que os ingredientes do mesmo provenham de agricultura biológica, não contenham glúten, nem lactose. Comem saudável. E o que sentirão estas crianças? Não se sentirão diferentes? Não quererão elas experimentar um pouco de bolo, um pouco de pão? Uma bolacha igual à dos amigos? É assunto que me mete confusão. Preocupação com a saúde? Sim. Obstinação com a origem e qualidade do que bebem, comem, vestem? Não, obrigada. Tento que a pipoca coma bem, comida com pouco sal, confecção simples mas com sabor. Faço-lhe papas caseiras. Faço bolachas. Faço bolo sem açúcar. Mas também a deixo comer bolacha maria. Pão. Comida dos crescidos quando quer experimentar. Bolo quando há um aniversário. Não condeno, mas não me parece correcto.