Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Life in Pink

Life in Pink

no-amor.jpg

Aviso desde já - vai rolar lamechice.

Em tudo na nossa vida existem fases, diz que faz parte. A paixão inicial dá lugar a rotinas, a um amor crescente, companheirismo, amizade. Quando temos filhos, a vida dá uma volta grande. As discussões, antes quase inexistentes, acontecem com alguma regularidade, principalmente durante a noite. São tão ridículas quanto - vai lá tu; não resmungues com a bebé por ela chorar, ela não tem culpa; vamos deitá-la ou ficamos aqui a ver se ela se deita?; és tão insensível, dá-lhe miminhos em vez de refilar!; não refiles por ela não comer, dá-lhe antes a sopa; não te chateies com isso, depois limpa-se. Depois disto, passa a porque raio está uma fralda aqui?, seguido de eh, tu também não lavaste a loiça como te compete! Basicamente, uma competição para ver quem foi o mais desorganizado/desarrumado. Confere, não somos o casal mais arrumado de sempre, com grande pena nossa. Estas discussões rapidamente perdem a sua dimensão, porque não faz sentido dar-mos-lhes mais valor do que aquele que elas merecem, que é - zerinho.

Discussões da treta são uma coisa, outra coisa é a expectativa que tu tens na pessoa que está ao teu lado. Por vezes dou por mim a pensar - em vez de o mudar para melhor, conseguiu ele deixar-me acomodar. Como passámos do príncipe encantado para isto? E é aqui que o raciocínio tem que parar. Tem que dar uma volta. E o que será que pensa ele de mim? Não contribuo em nada para que ele melhore profissionalmente, chateio-o quando deixa coisas fora do sítio, quando não é capaz de decidir o que vamos fazer. Não puxo por ele, não o ajudo a ser melhor. Eu queixo-me dele, do mesmo modo que ele se pode queixar de mim. E é quando realizas isto que tens que mudar a tua perspectiva, a tua atitude. Porque pedes tudo, se tu própria não és a melhor? E não, ingerires um pacote de bolachas não resolve a situação. E se forem dois ou três? Eh, também não. Poderíamos ajudar-nos mais um ao outro, por vezes não sabemos é como. Ninguém é perfeito. Há uns que se aproximam mais da perfeição do que outros. O ingrediente essencial existe - amor, o resto vai-se conquistando.

Resumindo - não desistam de uma pessoa só porque ela não é como vocês idealizam. A perfeição não existe. E se não é o melhor pai do mundo (só porque perde a paciência facilmente), aproxima-se bastante disso! E também é giro que se farta, diz que pequena princesa tem a quem sair ;)